Hospital de Urgências de Sergipe realiza terceira captação múltipla de órgãos em 2023

Procedimento foi realizado na manhã desta terça-feira,24. Foram retirados fígado, rins e córnea, que garantirão a sobrevida de outros pacientes

Foto: Flávia Pacheco

O Hospital de Urgências de Sergipe Governador João Alves Filho (Huse) realizou, na manhã desta terça-feira, 24, o procedimento de captação múltipla de órgãos. Foram removidos fígado, rins e córnea de uma paciente sergipana do sexo feminino, 39 anos, vítima de um acidente vascular cerebral (AVC) isquêmico. A intervenção foi realizada após confirmação de morte encefálica.

De acordo com a coordenadora da Organização de Procura de Órgãos de Sergipe (OPO), Dacyana Lisboa, após a constatação da morte cerebral, os familiares da vítima foram acionados para informar sobre o ocorrido, momento em que eles comunicaram sobre a vontade da vítima, que em vida manifestou o desejo de doação em caso de óbito.

“Para nossa surpresa, os familiares declaram que a paciente desejava doar os seus órgãos em caso de morte. A partir dessa informação, a nossa equipe iniciou contato com a Central Estadual de Transplantes (CTE), que imediatamente contactou a Central Nacional de Transplantes (CNT), responsável por ofertar os órgãos no Sistema Nacional de Transplantes. Em seguida, a própria CTE, atualmente coordenada por Benito Oliveira Fernandez, acionou a equipe médica (três cirurgiões, um anestesista, um instrumentador e enfermagem), que efetuou a cirurgia de captação dos órgãos”, destaca Dacyana Lisboa.

Processo de captação
Segundo a coordenadora da OPO, o processo de doação dos órgãos inicia ainda com o paciente em vida, mas quando já apresenta indícios de morte encefálica. “A partir do momento em que a equipe médica percebe que o paciente não está respondendo ao tratamento, começa a investigação para averiguar se se trata de morte cerebral. Depois de fechado o protocolo de morte encefálica (Gasglow 3), após a realização de diversos exames clínicos e avaliação de uma vasta equipe médica, nós da OPO entramos em contato com a família, para saber se a doação dos órgãos está autorizada. Sendo positiva, acionamos a CTE e, a partir daí, é iniciado todo processo de captação”, explica.

Importância da comunicação
Para que haja captação dos órgãos, é necessário que a pessoa informe sobre a vontade de se tornar uma doadora. “A pessoa, ainda em vida, precisa comunicar aos familiares que deseja ser doadora, porque, em grande parte dos casos, os familiares comentam que o parente não informou sobre essa vontade de doar os órgãos. Por isso, muitas vezes o procedimento acaba não acontecendo”, diz Dacyana Lisboa.

A coordenadora da OPO em Sergipe destaca a importância da doação. “Sabemos que para a família é muito difícil todo sofrimento do processo de luto. Mas, a partir do momento em que o paciente opta pela doação, ele acaba ajudando várias pessoas a terem uma sobrevida, o que é considerado um enorme ato de amor ao próximo. Doar órgãos é salvar vidas”, finaliza. Fonte:SES

Publicidade!

Inove Academia

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here